Folhas secas.

“A rua estava úmida e no ar, aquele cheiro de terra molhada. Tudo típico de um dia chuvoso. Tínhamos combinado de nos encontrar às 15 h e eram 14:30, eu ainda tinha tempo.

Saí andando, pulando discretamente nas poças como fazia quando criança. Antes a preocupação era só o resfriado, agora, eu perderia o sapato, o salto, a pose, a decência e molharia a barra da calça caríssima, além de poder ficar doente. Parei. Continuei o trajeto caminhando lentamente, analisando cada passo, cada folha, cada gota d’água que caia no chão e no meu casaco, deixando pequenas manchas que logo secariam. O parque estava vazio – pessoas normais não vão ao parque enquanto chove -, mas ele estava lá, parado. A capa amarela e as galochas azuis ficavam estranhas, quase cômicas, mas eu já havia me acostumado a sua constante falta de estilo. No fundo, eu até achava charmoso.

Como sempre, meus olhos pretos sorriram antes da minha boca carmim, mas os dele não. Nem os olhos, nem a boca. Ele tinha acabado de chegar de viagem, não entendi o que realmente acontecia. Antes de ele ir, tudo estava bem. Bom, bem talvez não, mas tudo estava indo como mandava o figurino.

Não houve discussão. Sequer houve uma explicação. Eu não supliquei, e eu sei que ele não esperava isso. Mesmo que esperasse, não iria ceder aos meus pedidos desesperados para que ele não fosse embora.

Não se pode forçar alguém a te amar, nem se pode pedir um motivo para quando essa pessoa deixa de te amar. As coisas acontecem assim: quando acabam, acabam. E, na maioria das vezes, nem existe um motivo, somente um abrir de olhos para a realidade e um entendimento para o que estava acontecendo até o momento.

Ele virou as costas e eu fiquei ali, parada. Não esperava uma explicação dele, mas eu queria entender o que estava acontecendo. Talvez, enquanto andava pela avenida quase sem movimento com aquela capa amarela e galochas azuis que agora pareciam ridículas, ele estivesse a caminho do motivo por me deixar. Ou não.

Pensando bem, já não combinava mais nós dois de mãos dadas pela rua. Era estranho o modo como aquilo passara a ser vergonhoso, para as duas partes. Nos isolávamos um do outro, éramos fechados, como “companheiros” que se procuram para os momentos bons mas que não tem confiança suficiente para contar um segredo.

A minha insistência foi porque achei que a culpa era minha e, por isso, eu era a encarregada de resgatar o nosso amor. Mas nós fomos nos dissipando, nos afastando com o tempo, com as viagens dele, com os meus compromissos, os meus quadros, os meus projetos, os meus artigos, os meus livros, e não havia mais tempo na vida de nenhum de nós dois. Efeito reverso do amor.

Agora, tudo não passa de sentimentos a serem esquecidos, superados, deixados para trás, como folhas secas pelo chão nas frias tardes de Outono.”

(Gabriela Biasi)

Anúncios

Gostou deste post? Comente!

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s