Feliz Aniversário Robert Pattinson!

Feliz Aniversário Robert Pattinson!

Ninguém sabe, mas eu sou casada com o Rob, ahaha! Brincadeiras e sonhos a parte, vim aqui prestar uma pequena e singela homenagem para um dos atores mais incríveis dessa geração. Parabéns Rob! Que venham muitos e muitos anos de vida repletos de luz, amor, saúde, alegria, sucesso e tudo que possa existir de bom nesse mundo! Que Deus sempre lhe proteja e que os Anjos guiem e iluminem teu caminho.

Obrigada por ser uma enorme inspiração para mim, por não ter mudado o teu jeito, por ser tão pé no chão e ser uma pessoa incrível! Parabéns por seus 29 anos de vida e que venham mais 49, 79… Não vim aqui somente desejar parabéns, mas agradecer também! Então, muito obrigada!

E de uma coisa eu sei que um dia, talvez, eu consiga um abraço teu e te agradecer pessoalmente! E caracas, 29 anos? Tá ficando velho, hein? Eu sei que muitas pessoas aqui vão dizer: “Ah, ele nunca irá ver esse texto”, mas quer saber? Eu não ligo para essas pessoas. Faço por que gosto!

Mais uma vez parabéns e obrigada por tudo! Muitas felicidades e eu amo você, Rob

Anúncios

5 motivos para fazer ballet!

5 motivos para fazer ballet!

Aloha! Vocês sabiam que hoje – dia primeiro de setembro – é o dia da bailarina e bailarino? Não? Eu resolvi aproveitar esse dia tão especial e montar um post para comemorar e mostrar ainda mais minha saudades por essa arte, listando apenas cinco motivos para se fazer ballet! Confiram:

1. Ótimo exercício físico:

Não é a toa que sempre que olhamos para um bailarino não reparamos em seu físico. Além de terem uma boa estrutura corporal que é primordial, pois requer força e disciplina, ajuda a ter uma boa postura e equilíbrio, uma boa musculatura, flexibilidade e a ser saudável (assim, evitando futuros problemas). Mas, antes que pensem que fazer ballet é super fácil, não é não. Requer muita prática, paciência e tempo!

2. Excelente para a mente:

O ballet também ajuda na mente, a ter mais concentração, foco e tudo que requer um bailarino. Nas aulas é vital que esteja prestando atenção, pois quanto mais rápido se pega o passo, melhor. E olha, mesmo eu prestando tanta atenção, sofria e muito. Acho que era a falta de coordenação motora, hahah!

3. Aprende a gostar de música clássica:

Antes mesmo de voltar para o ballet já era apaixonada por música clássica e, logo que entrei passei a gostar mais e a pesquisar mais sobre. Tchaikovsky é o rei das músicas de repertório de ballet. Lago dos Cisnes é o meu preferido! Claro que há também Beethoven, Debussy e entre outros!

4. Fica bem com você mesmo:

Você passa a reparar mais em você, começa a se enxergar com outros olhos, o que é bom! O ballet é ótimo para o bem estar de cada um, ajuda na percepção das coisas ao seu redor que nem sabia que podia ver.

5. Aprende a nunca desistir!

Só quem faz ballet sabe o quanto é difícil realizar cada passo. O quanto é complicado dar uma pirueta em que seu corpo esteja no eixo, ou até mesmo a frustração de não conseguir realizar um passo simples. Você passa a acreditar no impossível, até por que fazer mais de trinta fouettes não é mole não (nunca cheguei nessa parte, mais via o quão os bailarinos ficavam chateados). Simplesmente você aprende a nunca, nunca mesmo, desistir e sempre correr atrás do que quer.

Eu dou parabéns para aqueles que fazem ballet, mesmo que depois de velhos. É como no quinto tópico: nunca desista! Sejam fortes e se é isso o que querem, vão atrás e lutem! Feliz dia para nós, até mesmo para aqueles, que assim como eu, não estão praticando o seu tão amado ballet, mais que sonham em voltar e a continuar um sonho! Enfim, me desculpem por não estar postando só correria na minha vida! Espero que tenham gostado e que se sentiam motivados para fazer!

Acompanhem o Camafeu da Lia nas redes sociais: FacebookInstagramTumblr e Twitter.

Bisous, Lia

Ballet e a saudade infinita ♥

Sabe quando bate aquela saudade inexplicável? Alguns podem dizer que é loucura. Ou talvez que eu não tenha idade mais para essa coisa chamada ballet. Pare. Por favor pare de dizer que eu, você ou até mesmo alguém não idade para isso ou para aquilo. Ninguém sabe o quão bom é calçar sapatilhas e aprender passos que vão além da sua força e coragem. Eu posso não ter chegado no instante de calçar sapatilhas de pontas. Um sonho para qualquer uma bailarina que está começando. Sim. Eu sei que ela pode acabar com os meus pés, mais ela dá inicio aos meus sonhos. Posso não ter idade para me tornar uma bailarina profissional. Posso não ter tempo. Ah, como eu queria ter. Mais de uma coisa eu estou certa o ballet me tocou desde a primeira vez, aos cincos anos de idade. Me tocou tão profundamente que ele refletiu na minha alma e ficou lá guardado por anos, até que eu voltei.

Eu sinto tanta, mais tanta falta do ballet… que simplesmente não deixo de pensar se quer um momento do meu dia sobre isso. Penso nas variações, nos desafios, nos passos, nas dores – sim, nas dores -, nos sorrisos, nas alegrias, nos elogios e em tudo. Quando eu entrei nesse mundo a minha primeira professora disse para mim e minha mãe: “Sua filha têm pés lindos!”. Eu não sabia o que significava até minha segunda professora me dizer: “Que pés lindos!”. Elas não falam isso pelo “fisionomia” que os pés tem, não é pela aparência, mais sim pelo o que eles podem vir a ser. Talvez, essa seja uma das maiores lembranças que eu tenho do ballet. Uma das melhores.

O ballet ficou cravado em mim, principalmente na minha essência. E não. Nunca irei desistir de algo precioso e preciso. Pois, eu sinto que minha alma clama por ele. Que ela sente falta do ballet. Então, só preciso de tempo. Só preciso que o tempo esteja ao meu favor. Não ligo se irei pagar as aulas, ou se vou fazer elas de graça – não me importa.

A unica maneira que realmente me importa é voltar a praticar e quem sabe… um dia talvez eu interprete Clara ou Giselle, talvez até a Fada Açucarada ou um Floco de Neve, quem sabe eu não seja Odile e Odette? Não me importa se isso vai ser totalmente profissional ou se eu vou estar velha. Só não vou desistir desse sonho chamado ballet, no qual deixa uma imensa saudade dentro do meu coração.

Dicionário de Ballet (Parte 5) ♥

Aloha gurizada! Para aqueles que estão se perguntando se não vai acabar nunca esse dicionário, sim, irá! E está é a última parte da saga “Dicionário de Ballet“, e ela é a melhor, pois vocês iram assistir a um glossário, com vários passos feito por bailarinos da companhia “The Royal Ballet” (sonho, hihih), conhecida também como Royal Opera House! Os vídeos são bem rápidos e muito bem feitos, eles são em inglês, mais é coisa básica e dá para super entender! Confiram:


E este é fim do nosso “Dicionário/Glossário de Ballet“! Eu espero que vocês tenham gostado e aprendido muito, assim como eu! Não deixem de comentar e seguir-me nas redes sociais, hihih!

Bisous, Lia

Dicionário de Ballet (Parte 4) ♥

E estamos chegando quase na reta final da nossa saga de Ballet, hihih! E antes que alguém aí fique “boiando” no que eu estou falando, confiram a primeira, segunda e terceira parte! A quarta parte do “Dicionário de Ballet” mostra o “ABC do Ballet” falando sobre os passos e mais! Confiram:

A

♥ ADÁGIODerivado do italiano – lentamente.
a) qualquer dança ou combinação de passos feitos para a música lenta;
b) série de exercícios efetuados durante a aula com o fito de desenvolver a graça, o equilíbrio e o senso de harmonia e beleza das linhas;
c) parte dos pas de deux clássicos dançados pela bailarina e seu partner. Chamado pelos franceses de Adage.

♥ ALLEGROPalavra italiana derivada do latim Alecer (vivaz).
a) qualquer dança ou combinação de passos feito para uma música de tempo rápido ou moderado;
b) parte da aula que segue o Adágio;
c) todos os passos rápidos, como saltos, bateria etc., em balé, são parte do Allegro.

♥ APLOMB – Aprumo. Dá-se o nome de Aplomb à elegância e ao controle perfeito do corpo e dos pés, conseguido pelo bailarino ao executar o movimento.

♥ ARABESQUE – Arabesco. Palavra originária do árabe significando ornamento.
Posição na qual o peso do corpo é sustentado numa só perna, enquanto a outra se encontra esticada para trás, geralmente no ar e com os braços dispostos de maneira harmoniosa.
Esta posição apresenta variações tais como:
1. o pé que sustenta o corpo pode estar totalmente apoiado no chão, na meia ponta, ou na ponta;
2. a perna que sustenta a pose pode estar ou não flexionada;
3. a posição do corpo pode estar alongada (allongée), ou inclinada (penchée);
4. também os braços sofrem alterações, sendo eles que determinam as qualificações dos arabesques.

B

♥ BALANCÉ – ou Pas de Valse – Balanceado. É um passo balanceado em ritmo de valsa. O bailarino dá um passo ao lado com uma perna, trazendo a outra para trás desta, com o joelho meio dobrado e a meia ponta no chão; em seguida, transfere o peso do corpo para a perna de trás e logo em seguida para a da frente, sem mudar a posição de ambas.
Pode ser feito também cruzando-se a perna em frente ou dando-se o passo para frente ou para trás, em vez de ao lado.

BALLET – Balé. Derivado do italiano ballare (bailar). É um conjunto de passos de dança executados em solo ou em grupo. Balé reúne, na sua maioria, várias artes, tais como música, pintura (cenários e figurinos), arte dramática (mímica e interpretação), com a dança na sua forma clássica ou moderna.

BASQUE, PAS DE – Passo de basco. Passo cujo nome indica sua origem. Foi introduzido no balé clássico por Maria Camargo (1 710-1770). Pode ser glissé (deslizado) ou sauté (saltado), en avant (para frente), ou en arrière (para trás).

BATTEMENT – Batida, pancada. Termo genérico designando certos exercícios e movimentos da perna e do pé, executados sob a forma de batidas. Basicamente, em balé, o termo battement significa a extensão total ou parcial da perna e do pé e seu retorno à posição inicial.

BATTU – Batido, golpeado. Este termo, ainda que relacionado a qualquer passo, mantém-se inalterado, significando apenas que o bailarino bate as pernas durante a sua execução. Por exemplo, um assemblé battue é um assemblé comum, porém com uma batida das pernas no ar.

BOURRÉE, PAS DE – Bourrée é o nome de uma dança folclórica das províncias de Auvergne e Berri. Sua conexão com os pas de bourrée do balé clássico é obscura, tendo sido introduzido com certa estilização, por alguns coreógrafos contemporâneos. É um passo de locomoção em geral com três movimentos das pernas, feitos em qualquer direção.

C

♥ CHAT, PAS DE – Passo de gato. Passo em que o bailarino, começando de 5a posição, levanta a perna de trás num retiré, estando em demi-plié na perna de sustentação, pula lateralmente sobre a perna levantada, ao mesmo tempo em que levanta a outra em retiré e fecha 5a no demi-plié. O pas de chat italiano é feito com as duas pernas dobradas no ar ao mesmo tempo.

♥ CONTRETEMPS – Contratempo. Passo composto de um coupé chassé, temps levé, chassé passé. 5a posição, direita em frente; coupé com a perna esquerda, chassé en avant com a direita, um temps levé sobre a perna direita, com a esquerda atrás em arabesque, e um chassé passé com a esquerda terminando em 4a allongée, com o peso sobre a perna esquerda em demi-plié e a direita atrás em degagé a terre.

♥ COREÓGRAFO – Do grego Khoros (danÇa) e grapho (escrita), designa a pessoa que cria um balé; os passos e danças que, em seqüência, formam um balé. No princípio do século XVIII, este termo significava “anotador de dança”; como em geral era este quem também criava os passos do balé, a palavra passou a cobrir ambas as atividades. Quando desapareceu a arte de escrever os balés, o termo coreógrafo passou a significar apenas “criador de balé”.

♥ COREOGRAFIA – Termo usado no século XVlll para designar a arte de “anotação de danças” e que agora significa “seqüência de passos e movimentos que compõem um balé”.

♥ COTÉ, DE – Ao lado. Não é um passo; este termo, quando adicionado a qualquer passo ou exercício, significa que este deve ser executado ao lado.

CROISÉ – Cruzado. Uma das oito direções do corpo do bailarino em relação ao palco e ao espaço circundante.

♥ CROIX, EN – Em cruz. Fazer qualquer exercício en croix significa executá-lo em frente, ao lado, atrás e de novo ao lado.

D

♥ DANSEUR NOBLE – Bailarino nobre. Nome em geral usado para designar a primeira figura masculina de um balé, o herói romântico, como o tenor numa ópera.

DANSEUR, DANSEUSE – Bailarino, bailarina.

DANSE DE CARACTERE – Dança folclórica ou a caráter.

♥ DEBOULÉS – Rolar. Pequenos tours, em geral feitos em séries, em que o bailarino executa pequenas voltas, transferindo o peso do corpo de uma perna para outra. O mesmo que CHAINÉS.

♥ DEDANS, EN – Para dentro. Indica que: (a) o movimento da perna é feito numa direção circular de trás para frente; (b) uma pirueta é executada girando para o lado da perna de sustentação.

♥ DEGAGÈ– Afastado. Posição em que o bailarino se encontra sobre uma perna, com a outra afastada, ponta esticada, em frente, ao lado ou atrás. 0 degagé pode ser à terre, com a ponta tocando o chão, ou en I’air, com a perna levantada a meia ou grande altura.

♥ DEHORS, EN – Para fora. Indica que: (a) o movimento da perna é feito em direção circular da frente para trás; (b) uma pirueta é executada girando-se para o lado da perna que levanta do chão.

♥ DEMI – Meio, metade. Qualquer posição ou passo efetuado de maneira pequena ou pela metade.

♥ DEMI POINTE – Meia ponta, ou seja, sobre a sola dos dedos dos pés.

♥ DERRIÈRE – Atrás. Qualquer passo, exercício ou posição executados atrás, isto é, com a perna fazendo o movimento atrás da outra ou então fechando atrás.

♥ DESSOUS – Embaixo. Qualquer passo executado com a perna de ação passando atrás da outra.

♥ DESSUS – Em cima. Qualquer passo que quando executado, a perna que comanda a ação passa na frente da outra.

♥ DEUX, PAS DE – Passo de dois (ou passo a dois). Uma dança para duas pessoas. Grand pas de deux, nome dado nos balés clássicos para os pas de deux feitos pela primeira bailarina e pelo primeiro bailarino, destinado a mostrar sua virtuosidade, e em geral consistindo de entrada, adágio, variação para a bailarina, variação para o bailarino, concluindo com uma Coda.

♥ DEVANT – Em frente. Termo relacionado a qualquer passo ou exercício que é executado em frente, isto é, com a perna fazendo o movimento em frente da outra, ou então fechando na frente.

E

♥ ECARTÉ – Separado. Uma posição do corpo, oblíqua para o público, na qual o braço e a perna estão estendidos no mesmo plano vertical e diagonal como o resto do corpo. As outras posições do corpo são en face, croisé, ouvert (ou effacé).

♥ ELEVATlON – Elevação. A altura dos saltos do bailarino. Termo aplicado a todos os movimentos aéreos, isto é, feitos no ar, com pequenos ou grandes saltos.

♥ ENCHAINEMENT – Encadeamento. Qualquer combinação de vários passos numa aula é um enchainement.

♥ EN FACE – De frente. Uma das direções do corpo, quando o bailarino está bem de frente para o público.

♥ ENTRECHAT – Termo provavelmente originado do italiano cabriola intrecciata, ou seja, cabriola cruzada. Um salto no ar de 5a posição em que o bailarino , no ar, cruza as pernas uma, duas ou três vezes.

F

♥ FOUETTÉ – Do termo francês fouetté (chicote). Devido à grande diversidade dos vários passos, tanto da barra, de adágio e de allegro, denominados fouettés, é todo movimento seco (chicoteado) executado pela perna, ou pela perna e corpo, quando este faz um movimento, virando para o lado contrário da perna.

J

JETÉS – Jogados. Passo de allegro. São diferentes tipos de saltos. Pode ser petit jeté, jeté ordinaire, grand jeté, grand jeté en avant, grand jeté en tournant, jeté passé, jetés battement, jetés elancés e, na escola russa, ainda o jeté fermé.

M

 MÁITRE-DE-BALLET, MAITRESSE-DU-BALLET OU CHEFE DO BALÉ – É o responsável, junto ao coreógrafo, por manter e remontar, quando necessário, a obra, respeitando sua autenticidade, qualidade técnica e artística. O maitre-de-ballet também dá aulas à companhia cuidando da unidade de trabalho e estilo que estão sob a sua responsabilidade.

♥ MANÉGE – Picadeiro, indica a forma em que o bailarino executa os tours, quando estes são feitos ao redor do palco, como se circundasse um picadeiro imaginário.

♥ MARCHÉ, PAS – Passo marchado ou andado. Um passo comum, feito com o pé esticado, colocando-se primeiro no chão a meia ponta e em seguida o calcanhar.

P

♥ PAS – Passo. Um único movimento de perna, quando no ato de andar ou dançar.

♥ PIROUETTE – Pirueta. Uma volta inteira do corpo executada sobre uma perna (na ponta ou meia ponta), enquanto a outra está dobrada, com o pé em frente ao joelho da perna de sustentação. Quando a volta é feita para o lado da perna que levanta, a pirueta é en dehors; quando a volta é para o lado da perna de sustentação, a pirueta é en dedans.

♥ PLIÉ – Dobrado. Flexão dos joelhos. Um exercício que compõe quase todos os outros da barra.

♥ PORT DE BRAS – Movimento dos braços.

PROFESSOR (A) – É aquele que ensina em diferentes níveis aos alunos a técnica da dança, desde seus princípios básicos até o nível profissional, dependendo de sua capacidade.

♥ PROMENADE – Passeio, uma volta lenta dada sobre um pé (toda a planta no chão ou na ponta, neste último caso com a ajuda de um bailarino), enquanto a outra perna está numa dada posição (arabesque, por exemplo). Devem-se tomar como eixo os dedos do pé, enquanto o calcanhar vai executando uma volta completa em torno dele (o eixo).

Q

♥ QUATRE, PAS DE – Passo de quatro. Uma dança para quatro pessoas. Numa coreografia pode haver solos até para dez pessoas, homens e mulheres. Depois desta quantidade já é considerado Corpo de Baile.

R

♥ REPETITÉUR (ENSAIADOR) – É o assistente do maitre-de-ballet, ensaia as diversas partes da obra, variações, solos, grupos, corpo de balé e é também professor categorizado.

T

 TOUR – Volta. O mesmo que pirueta. Em geral as grandes piruetas são mais comumente chamadas tours. Exemplo, pirueta en attitude ou tour en attitude. Também as que são feitas em séries, como o tour piqué.

♥ TOUR EN L’AIR – Volta no ar. Em geral, passo para o bailarino homem. Saindo de 5a posição (ou qualquer outra, em geral 2a ou 5a) no demi-plié, o bailarino dá um salto para cima com as pernas bem juntas ao mesmo tempo em que vira uma ou mais voltas no ar com o corpo.

♥ TOURNANT, EN – Virando. Adicional aos passos que podem ser feitos com uma volta do corpo. Como, por exemplo, o assemblé soutenu, que pode ser simples (sem a volta) ou en tournant.

TROIS, PAS DE – Passo de três pessoas. Variação de dança feita por três bailarinos, em geral duas moças e um rapaz.

V

♥ VALSE, PAS DE – Passo de valsa. O mesmo que balancé.

Ufa! Desta vez o post ficou gigante, e era isso que eu não queria. Eu sei que deve ter faltado alguns passos nesse dicionário, mais eu achei eles em vários lugares, aí fui completando, então caso esteja faltando algum, eu super recomendo esse link, que além de falar sobre os passos conta as preferências de certos lugares e de onde eles surgiram! E ah, para quem sabe inglês, recomendo esse link, ele é super completo, sério!

Em relação a todos os passos, eu só aprendi alguns, hihih, afinal eu ainda só estou no primeiro ano, e olha que eu aprendi muita coisa, hahah! Ainda falta mais uma parte para a nossa saga estar completa! Espero que tenham gostado e não deixem de comentar!

Obrigada por tudo pessoal

Dicionário de Ballet (Parte 3) ♥

E saga “Dicionário de Ballet” continua, hihih! Para quem ainda não viu a primeira e segunda parte, corram lá para conferir! Desta vez o tema abordado nesta terceira parte será as principais posições dos braços, no qual acompanham as principais posições do pés, mas normalmente elas variam de passo para passo! Confiram:

As Principais Posições dos Braços 

Existem outras posições de braços, que partem das posições descritas aqui. Seus nomes variam de acordo com os métodos usados hoje são de origem inglesa, russa e cubana.

Primeira Posição: “Braços abaixados”. Como se estivesse segurando uma melancia, as mãos ficam próximas uma da outra e quase tocam as pernas.

Posição Preparatória: Os braços e as mãos ficam na altura do estômago, arredondados, como se segurasse uma grande melancia. Os cotovelos ficam virados para fora.

♥ Segunda Posição: Os braços ficam ao lado do corpo, levemente arredondados. As mãos acompanham a linha dos braços.

♥ Quinta Posição: Os braços ficam arredondados, ligeiramente à frente da cabeça.

Acho que nós bailarinas devemos nos orgulhar por tudo que passamos nas aulas de Ballet, e para dar “um tapa” na cara da sociedade que acha que Ballet é fácil e muito calmo de se fazer, mais quero ver eles estarem nas nossas peles. Duvido que não aguentariam um terço da dor que sentimos, mesmo para aquelas, assim como eu, estão no começo do Ballet! Enfim, Ballet é complicado, acadêmico e lindo, hihih! Espero que tenham gostado do post e aguardem, pois ainda tem mais! Não deixem de comentar, é muito importante!

Obrigada por tudo pessoal,

Dicionário de Ballet (Parte 2) ♥

Aloha! Como vocês estão? Espero que bem, hihih! Estão lembrados da primeira parte do dicionário de Ballet que eu havia postado há alguns dias? Então, desta vez eu trouxe a segunda parte, na qual aborda as principais posições dos pés, que é mega ultra fundamental no Ballet! Confiram:

As Principais Posições dos Pés 

(Desculpem pela má qualidade)

Em todas as posições, os pés ficam para fora (posição “en dehors”), o que depende de as coxas e os joelhos estarem virados. Esta abertura parte do quadril.

Primeira Posição: Com os calcanhares juntos, os pés ficam abertos um para cada lado, em linha reta. Os joelhos seguem a linha dos dedos dos pés.

 Segunda Posição: Partindo da primeira posição os pés ficam afastados entre si por uma distância aproximada de um pé.

♥ Terceira Posição: Com os pés virados para fora, o bailarino coloca um pé na frente do outro, unindo-os. O calcanhar do pé da frente fica na metade do pé de trás.

♥ Quarta Posição: Com os pés cruzados e afastados, um pé fica na frente do outro. Imagina-se que há um pé em posição natural entre eles.

Quinta Posição: Como na terceira posição, os pés ficam unidos uma na frente do outro. O calcanhar de um pé toca os dedos do outro pé.

Espero que tenham gostado do post! Não deixem de comentar e seguir-me nas redes sociais, hihih!

Bisous, Lia